Defacement

ALGUMAS MANEIRAS DE INVADIR UM WEBSITE

Como tenho dito em posts anteriores, este blog é o resultado das minhas anotações, anoto tudo, a primeira coisa que faço ao ligar o meu notebook é abrir o bloco de notas.

Antes de existir a internet, pelos idos de 1976 – quando a mídia de armazenamento eram os cartões perfurados em máquinas enormes e complicadas, e que eram lidos por um mainframe IBM 1130 -, estudei a primeira linguagem: Fortran; depois um pouco de Cobol (fiquei no básico, cálculos financeiros nunca foi minha praia), até que apareceu o PC e comprei um Digitus DGT-1000 com armazenamento em disquete de 5″1/4 e fita cassete, um Microprocessador Z80; então comecei com o Basic, uma escolinha para linguagem de alto nível e, porque não, o Assembly que me fez descobrir a preferência pelo baixo nível. Afinal, naquele tempo eu trabalhava com eletrônica, “hardware” era um termo novo.

Bem, chega desse papo de Dinossauro. Só quero dizer que que nunca tive intimidade com desenvolvimento de Frontend, apenas o essencial de HTML; e agora estou investindo em PHP, CSS, JavaScript… e, por questões éticas, estou construindo uma infra em uma máquina virtual – algo como Windows server com IIS e SQL Server, Apache, Nginx,… vou ver o que minha humilde máquina permite para um laboratório de testes de invasão de sites/bancos de dados com foco em “defacement“, desfiguração, alteração visual de sites. Continue lendo!