DragonOS – Como Criar um Pendrive/HD Ubuntu USB Persistente

O tema principal deste post seria o projeto “DragonOS”, que é um ISO Linux pronta para instalar, destinada a facilitar a vida dos iniciantes nos softwares SDR. O DragonOS fornece vários programas pré-instalados e, recentemente, a compilação foi atualizada, desta vez com base no Lubuntu 18.04, permitindo suporte para Legacy e UEFI, além de criptografia de disco. O sistema operacional suporta RTL-SDRs, bem como o HackRF e bladeRF e provavelmente suporta a maioria dos outros SDRs por meio da interface SoapySDR.

Em termos de software, também foi adicionado suporte a OP25 e bladeRF. Outros programas pré-instalados incluem rtl_433, Universal Radio Hacker, GNU Radio, Aircrack-ng, GQRX, Kalibrate-hackrf, wireshare, gr-gsm, rtl-sdr, HackRF, IMSI-catcher, Zenmap, inspectrum, qspectrumanalyzer, LTE-Cell-Scanner, CubicSDR, Limesuite, ShinySDR, SDRAngel, SDRTrunk, Kismet, BladeRF.

O canal de tutorial do DragonOS no YouTube também está crescendo rapidamente, com vários tutoriais mostrando como usar o DragonOS para executar tarefas como ouvir DMR (Rádio Digital Móvel – Trunk), usar o QSpectrumAnalyzer com um HackRF, receber imagens de satélite meteorológico NOAA APT, recuperar informações de rede celular através de um Samsung enraizado Galaxy S5, criar um servidor ShinySDR com rtl_433 e como capturar e reproduzir com um HackRF.

O DragonOS LTS é um sistema operacional x86_64 baseado no Lubuntu 18.04 pronto para uso para qualquer pessoa interessada em rádios definidos por software.

Todos os softwares instalados das fontes estão localizados no diretório /usr/src, enquanto os demais softwares foram instalados pelos gerenciadores de pacotes.

usr-src

No entanto, post atual está mais para um tutorial sobre uma ferramenta que uso com frequência: o mkusb.

O mkusb foi desenvolvido para tornar mais simples e segura a criação de unidades de inicialização com o método de flashear ou clonar uma imagem iso ou um arquivo de imagem compactado. O alvo é um dispositivo de armazenamento em massa, geralmente, mas nem sempre, uma unidade USB, às vezes uma unidade interna ou uma unidade eSATA.

Como criar uma unidade Live USB Ubuntu persistente

Uma unidade “Live USB” do Linux normalmente é como uma folha em branco a cada vez que você a inicializa. Você pode inicializar, instalar programas, salvar arquivos e alterar configurações. Porém, assim que você reiniciar, todas as alterações serão apagadas e você voltará a um sistema novo. Isso pode ser útil, mas se você quiser um sistema que retome de onde parou, poderá criar um Live USB com armazenamento persistente.

Como o armazenamento persistente funciona

Ao criar uma unidade USB com persistência, você alocará o espaço que desejar (até 4 GB com outros métodos) da unidade USB para um arquivo de sobreposição persistente. Quaisquer alterações feitas no sistema – por exemplo, salvar um arquivo na área de trabalho, alterar as configurações em um aplicativo ou instalar um programa – serão armazenadas no arquivo de sobreposição. Sempre que você inicializar a unidade USB em qualquer computador, seus arquivos, configurações e programas instalados estarão lá.

Esse é um recurso ideal se você deseja manter um sistema Linux ativo em uma unidade USB e usar em diferentes PCs. Você não precisará configurar seu sistema do zero toda vez que inicializar. Você não precisa de persistência se estiver apenas usando uma unidade USB para instalar o Ubuntu e depois executá-la a partir do seu disco rígido.

Existem algumas limitações. Você não pode modificar arquivos do sistema, como o kernel. Você não pode realizar grandes atualizações do sistema. Você também não pode instalar drivers de hardware. No entanto, você pode instalar a maioria dos aplicativos. Você pode até atualizar a maioria dos aplicativos instalados.

A persistência não funciona com todas as distribuições Linux. Eu já testei com as versões mais recentes do Ubuntu – Ubuntu 18.04 LTS e Ubuntu 19.04 – e funciona. Também funciona com distribuições Linux baseadas no Ubuntu tal como Lubuntu 18.04 (como será mostrado adiante). Já tive sorte com o Fedora também. Basta baixar o arquivo ISO apropriado e seguir as instruções abaixo.

O Rufus, que recomendo para criar facilmente unidades Live USB no Windows, agora suporta armazenamento persistente em suas versões mais recentes. Versões anteriores não, necessitando do processo abaixo. Experimente o Rufus se você estiver usando o Windows e quiser evitar o processo de linha de comando do Linux.

Como criar uma unidade USB persistente do Ubuntu

Você precisará de um computador que já esteja executando o Ubuntu ou Debian para executar esse processo. Você também precisará de uma unidade USB com capacidade de armazenamento suficiente para configurar a persistência. Usei uma unidade de 32 GB, mas uma unidade de 8 GB teria funcionado também. Quanto maior a unidade, mais armazenamento persistente você pode ter.

As partições grub, boot e Ubuntu ocupam menos de 2 GB. O restante do espaço na unidade USB será usado para as partições casper-rw e usbdata.

A partição casper-rw é usada para armazenamento persistente. Por exemplo, o software que você instala e os arquivos de configurações serão armazenados nela.

A partição usbdata será formatada com o sistema de arquivos NTFS. Ele estará acessível para Linux, Windows e macOS. Esta partição também está disponível no Live Ubuntu na unidade USB. Isso significa que qualquer arquivo copiado para a partição usbdata de outro computador estará acessível ao seu Live Ubuntu.

Em outras palavras, a partição usbdata atua como uma “pasta compartilhada” entre o Live Ubuntu e qualquer outro computador em que você conecte sua unidade USB. Isso é bem legal.

A captura de tela abaixo mostra a aparência das partições resultantes no meu pendriver de 32 GB.

mkusb-15

Embora uma unidade USB de 32 GB tenha sido usada para este artigo, uma unidade de 8 GB também funcionaria. Simplesmente teria menos armazenamento.

Primeiro, você deve baixar o arquivo ISO do DragonOS que deseja colocar na unidade USB.

Nota: Se você estiver criando uma unidade Live USB a partir de um disco live, verifique se o repositório Universe do Ubuntu está ativado antes de continuar. Você pode fazer isso executando o seguinte comando:

$ sudo add-apt-repository universe

Segundo, a ferramenta mkusb não faz parte da instalação padrão do Ubuntu. Você precisará instalá-lo. Para fazer isso, digite os três comandos a seguir. O primeiro comando adiciona o repositório mkusb para que o Ubuntu saiba de onde instalar o mkusb.

$ sudo add-apt-repository ppa:mkusb/ppa

O próximo comando força o Ubuntu a atualizar suas listas de pacotes para os repositórios registrados.

$ sudo apt-get update

Agora podemos prosseguir com a instalação do pacote mkusb, com este comando:

$ sudo apt install --install-recommends mkusb mkusb-nox usb-pack-efi

mkusb-01

O mkusb faz um excelente trabalho na identificação de unidades USB. Isso é ótimo, mas não há nada como saber por si mesmo. Quando o mkusb diz que vai limpar completamente uma unidade em particular, você pode ter certeza de que é a unidade USB que planeja usar e não outro dispositivo no sistema.

Em uma janela de terminal, digite o seguinte comando. O comando lsblk lista os dispositivos de bloco no seu computador. Cada unidade possui um dispositivo de bloco associado.

$ lsblk

A saída do lsblk mostrará as unidades atualmente conectadas ao seu computador. Um disco rígido nesta máquina chamado sdb e há uma partição nela chamada sdb1.

Conecte sua unidade USB e use o comando lsblk mais uma vez. A saída do lsblk será alterada. A unidade USB agora será listada na saída.

Há uma nova entrada chamada sdc na lista. Possui uma partição chamada sdc1. Essa é a unidade USB.

Se você já possui mais de uma unidade no computador, o nome da sua unidade USB será diferente. Independentemente de como é nomeado, o dispositivo que não estava na lista lsblk anterior será ser a unidade USB alvo da instalação.

Depois de saber qual dispositivo é o seu drive USB, você pode iniciar o mkusb. Pressione a tecla Super (Windows) e digite “mkusb“. O ícone mkusb aparecerá. Clique no ícone ou pressione Enter.

Execute mkusb como dus (Do USB Stuff) digitando d.

O terminal solicitará sua senha. Digite sua senha e clique Enter.

Aviso: Este processo irá limpar o conteúdo da unidade USB!

Clique em “OK” na caixa de diálogo de aviso para confirmar que você entende isso.

mkusb-03

Selecione “Install (make a boot device)” [Instalar (criar um dispositivo de inicialização)] na lista e clique no botão “OK”.

mkusb-04

Selecione a entrada “‘Persistent live’ – only Debian and Ubuntu” na lista e clique no botão “OK”.

mkusb-05

Escolha o dispositivo USB alvo da instalação

mkusb-06

Navegue até o arquivo ISO do Ubuntu que você baixou, selecione-o e clique no botão “OK”.

Selecione a imagem ISO do Ubuntu 19.04 na pasta Downloads.

Você verá uma lista das unidades USB conectadas ao seu computador. Isso permite que você selecione a unidade USB apropriada.

Havia apenas uma unidade USB conectada à máquina de teste usada para este artigo. Como confirmamos acima, é chamado sdb. Confirmamos que é a unidade USB que queremos usar para continuar com confiança. Clique no botão “OK”.

Quando a caixa de diálogo mostrada abaixo aparecer, selecione a entrada “usb-pack-efi (grub padrão do arquivo ISO)” na lista e clique no botão “OK”.

mkusb-08

Você tem mais uma opção para escolher. Você pode selecionar qual porcentagem do espaço de armazenamento é para armazenamento persistente na partição casper-rw. O restante será usado para a partição usbdata, que possui o sistema de arquivos NTFS e também pode ser acessada a partir de PCs e Macs com Windows.

mkusb-09

Se você gosta de ter o espaço disponível na unidade USB compartilhado igualmente entre essas duas partições, deixe o controle deslizante no valor padrão e clique no botão “OK”.

Agora, basta dizer ao mkusb que estamos felizes com todas as nossas escolhas e que ele deve prosseguir.

Para deixar claro, este é o último ponto em que você pode voltar atrás. Se você tem certeza de que deseja continuar, selecione o botão de opção “Go” e clique no botão “Go”.

mkusb-10

Uma barra de progresso mostra o quão perto o processo de criação está da conclusão.

O estágio final da criação é liberar os buffers do sistema de arquivos na unidade USB. Também é recomendável que você espere até ver a frase “Work done” (Trabalho realizado). Isso indicará que o processo foi concluído.

mkusb-14

Quando o processo estiver concluído, você verá uma caixa de diálogo com a frase “Work done” (Trabalho realizado) destacada. Clique no botão “OK”. Se qualquer outra caixa de diálogo aparecer, feche-a clicando no botão “Quit” (Sair).

Mais algumas linhas de saída rolarão pela janela do terminal. Você será solicitado a pressionar “Enter” quando estiver pronto.

Quando você pressiona “Enter”, a janela do terminal se fecha. Agora você pode reiniciar o computador e inicializar a partir da unidade USB ou desconectar a unidade USB, levá-la para outro computador e inicializá-la lá.

Inicialize o PC e pressionando a tecla do fabricante para abrir os menus. Teclas comuns usadas: Esc, Delete, F1, F2, F10, F11 ou F12.

boot-01

boot-esse

dragon

Se necessitar de um sudo o usuário padrão=live/password em branco

Divirtam-se!!!!!

——————-

Atenção

O mkusb foi desenvolvido para os sabores da comunidade Ubuntu e Ubuntu. Também funciona com o Debian, mas é mais difícil instalar no Debian do que com o Ubuntu.

Se você possui um sistema baseado no Debian, que não é o Debian puro, também pode haver problemas. É uma boa ideia verificar as distros do Linux onde o mkusb funciona, se o mkusb foi testado com seu sistema operacional específico.

——————–

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s